ABRASCA (Associação Brasileira de Companhias Abertas): Associação de empresas brasileiras de capital aberta fundada em setembro de 1971 como uma entidade civil sem fins lucrativos, cuja finalidade é a de defender os interesses de suas associadas junto ao Governo e órgãos reguladores do mercado de capitais.

Ação: Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima.

Ação cheia (com): Ação com direitos (dividendos, juros sobre o capital, bonificação ou subscrição) não exercidos pelo titular.

Ação ordinária: Ação que confere ao titular os direitos essenciais do acionista, especialmente participação nos resultados da companhia e direito de voto em Assembléias. A cada ação ordinária corresponde um voto nas deliberações da Assembléia de Acionistas.

Ação preferencial: Ação que oferece a seu detentor prioridade no recebimento de dividendos e/ou, no caso de dissolução da empresa, no reembolso de capital. Em geral não concede direito de voto em assembléia.

Ação vazia (ex): Ação cujos direitos (dividendo, bonificação e subscrição) já foram exercidos pelo titular.

Ações em circulação (free float): Percentual de ações de uma empresa de capital aberto livremente disponíveis para aquisição por parte de investidores em relação ao capital total. Significa todas as ações emitidas pela Companhia, excetuadas as ações detidas pelo Acionista Controlador, por pessoas a ele vinculadas, por Administradores da Companhia e ações em tesouraria.

Acionista: Aquele que possui ações de uma sociedade anônima.

Acionista majoritário ou controlador: Aquele que detém uma quantidade tal de ações com direito a voto que lhe permite manter o controle acionário de uma empresa.

Acionista minoritário: Aquele que é detentor de uma quantidade não expressiva (em termos de controle acionário) de ações.

Amianto Crisotila: Tipo de minério encontrado em 2/3 da crosta terrestre, bastante utilizado pela indústria por suas características de alta resistência à tração, calor, etc. Matéria-prima utilizada na produção de fibrocimento, em que prende-se a uma matriz de cimento e água.

APIMEC (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais): Associação de profissionais do mercado de capitais que concentra suas atividades na certificação dos profissionais, representação política institucional frente ao governo e entidades representativas congêneres do mercado e no intercâmbio internacional com outras confederações de profissionais. A APIMEC possui regionais no Distrito Federal, Minas Gerais, Nordeste, Rio de Janeiro, São Paulo, e Sul.

Assembléia Geral Extraordinária (AGE): Reunião dos acionistas, convocada e instalada na forma da lei e dos estatutos de uma empresa ou entidade, a fim de deliberar sobre qualquer matéria de interesse social. Sua convocação não é obrigatória, dependendo das necessidades específicas da empresa.

Assembléia Geral Ordinária (AGO): Reunião dos acionistas convocada obrigatoriamente pela diretoria de uma sociedade anônima para verificação dos resultados, leitura, discussão e votação dos relatórios de diretoria e eleição dos administradores e do conselho fiscal da diretoria. Deve ser realizada até quatro meses após o encerramento do exercício social.

Ativo: Bens e direitos de uma empresa.

Aumento de capital: Incorporação de reservas ou novos recursos ao capital da empresa. Realizado mediante bonificação em novas ações, elevação do valor nominal das ações e/ou subscrição de novas ações pelos acionistas.

Balancete: Balanço intermediário da situação econômico-financeira e do estado patrimonial de uma empresa, referente a um período inferior ao do seu exercício social.

Balanço: Demonstrativo contábil dos valores do ativo, do passivo e do patrimônio líquido de uma entidade jurídica, relativo a um exercício social completo.

BM&F (Bolsa de Mercadorias & Futuros): Instituição que tem como objetivo maior efetuar o registro, a compensação e a liquidação física e financeira das operações realizadas em pregão ou em sistema eletrônico, bem como desenvolver, organizar e operacionalizar mercados livres e transparentes, para negociação de títulos e/ou contratos que possuam como referência ativos financeiros, índices, indicadores, taxas, mercadorias e moedas, nas modalidades à vista e de liquidação futura.

Bolsa de Valores: Associação civil sem fins lucrativos, cujos objetivos básicos são, entre outros, manter local ou sistema de negociação eletrônico adequado à realização, entre seus membros, de transações de compra e venda de títulos e valores mobiliários; preservar elevados padrões éticos de negociação; e divulgar as operações executadas com rapidez, amplitude e detalhes.

Bolsa em alta: Quando o índice de fechamento de determinado pregão é superior ao índice de fechamento anterior.

Bolsa em baixa: Quando o índice de fechamento de determinado pregão é inferior ao índice de fechamento anterior.

Bolsa estável: Quando o índice de fechamento de determinado pregão está no mesmo nível do índice de fechamento anterior.

Bonificação em ações: Distribuição de resultados da companhia mediante emissão de ações, quando de incorporação de reservas ao capital social. As ações bonificadas são entregues gratuitamente aos acionistas, na proporção da quantidade de ações possuídas. A bonificação aumenta a quantidade de ações da empresa, sem alterar o valor do patrimônio líquido.

Bonificação em dinheiro: Distribuição aos acionistas, além dos dividendos, de valor em dinheiro referente a reservas até então não incorporadas.

BOVESPA (Bolsa de Valores de São Paulo): Associação sem fins lucrativos, com a finalidade de manter local ou sistema de negociação eletrônico adequado à realização de transações de compra e venda de títulos e valores mobiliários, registrados na CVM - Comissão de Valores Mobiliários, em mercado livre e aberto, especialmente organizado e fiscalizado pelos seus membros, pela autoridade monetária e, em especial, pela própria CVM. A auto-regulação da Bolsa de Valores visa a preservar elevados padrões éticos de negociação, e divulgar as operações executadas com rapidez, amplitude e detalhes.

Capital: Soma de bens e valores mobilizados em investimento, em atividades econômicas, com intenção de lucro, que pode ser para a constituição de uma empresa; aquisição de ativos, títulos e valores mobiliários, negociação em mercados organizados, entre outros.

Capital autorizado (Sociedade de): Limite estatutário, definido em assembléia geral de acionistas, que permite ao conselho de administração aprovar aumento o capital social de uma empresa.

Capital pulverizado: quando não existe um acionista ou grupo de acionistas que possa ser definido como grupo de controle pela forma de distribuição das ações de uma companhia aberta.

Capital social: Montante de capital de uma sociedade anônima que os acionistas vinculam ao seu patrimônio como recursos próprios, destinados ao cumprimento dos objetivos da empresa.

Captação: Operação que tem por objetivo obter recursos, através de venda de investimentos ou realização de operação de crédito, como tomador.

CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia): é a câmara de compensação que presta serviços operacionalização dos sistemas de custódia de títulos e valores mobiliários em geral e de compensação e liquidação física e financeira de operações realizadas nos mercados a vista e a prazo da Bovespa. As operações da CBLC caracterizam-se por entrega contra pagamento, liquidação garantida, liquidação em reserva e movimentação em fundos disponíveis no mesmo dia.

CETIP (Central de Custódia e Liquidação de Títulos): Empresa de custódia e de liquidação financeira que se constitui em um mercado de balcão organizado para registro e negociação de valores mobiliários de renda fixa. Criada para garantir segurança e agilidade às operações do mercado financeiro brasileiro. Oferece suporte a toda a cadeia de operações, prestando serviços integrados de custódia, negociação on line, registro de negócios e liquidação financeira.

Cobertura: Conjuntos de madeiramentos e telhas que servem de proteção à residência. Superfície de vedação com inclinação de até 75º.

Cobertura de analistas: analistas que acompanham o desempenho de uma empresa e suas ações, fazendo projeções referentes às expectativas de futuro.

Confirmação de ordem: Aviso que a sociedade corretora transmite ao cliente sobre a efetivação de uma ordem de compra ou venda de ações.

Companhia de capital aberto: Empresa que tem suas ações registradas na Comissão de Valores Mobiliários - CVM, distribuídas entre um determinado número de acionistas e que podem ser negociadas em bolsas de valores ou no mercado de balcão.

Consolidado: demonstrações contábeis resultantes da integração de duas ou mais empresas (controladora e suas controladas), apresentando a visão financeira do grupo econômico como um todo.

Controlada: sociedade da qual a Companhia detém o poder de controle.

Controladora: é a sociedade que exerce o controle da Companhia sobre outras empresas do mesmo grupo.

Controle acionário: Posse, por um acionista ou grupo de acionistas, da maior parcela de ações com direito a voto de uma empresa, assegurando de forma direta ou indireta o poder de controle. O controle pode ser definido, quando é exercido por membros de uma mesma família ou grupo de acionistas; ou pulverizado, quando a quantidade de ações detidas por um indivíduo ou grupo de acionistas não é suficiente para garantir o exercício do poder na companhia.

Conversão de ações: Ato de modificação das características de uma ação. Por exemplo, conversão de ações ordinárias em preferenciais ou vice-versa, de ações nominativas para escriturais, e vice versa.

Corretagem: Comissão paga ao corretor.

Corretor: Intermediário na compra e venda de ativos, títulos e valores mobiliários.

Cotação: Preço de qualquer ativo submetido à oferta e procura, em negociações no mercado financeiro.

Cotação ajustada: Preço de mercado de uma ação ajustado por todos os proventos que afetaram seu valor, como dividendos, desdobramentos, grupamentos ou bonificações. Somente as séries de cotações ajustadas permitem analisar a evolução do preço de uma ação ao longo do tempo.

Cotação de abertura: Primeira cotação de um ativo, na abertura de negócios de um dia de negociações.

Cotação de fechamento: Última cotação de um ativo, no encerramento de negócios de um dia de negociações.

Cotação máxima: Maior cotação atingida por um ativo no decorrer de um dia de negociação.

Cotação média: Preço médio de um ativo, no decorrer de um dia de negociação.

Cotação mínima: A menor cotação de um título, constatada no decorrer de um dia de negociação.

Custo dos produtos vendidos: Custo despendido para produzir os produtos vendidos em determinado período.

CVM (Comissão de Valores Mobiliários): Autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda, tem a finalidade de disciplinar, fiscalizar e desenvolver o mercado de valores mobiliários no Brasil, ou seja, é o órgão regulador do mercado de capitais brasileiro.

Data de deliberação: Data em que é tomada decisão de distribuição de direito.

Data de pagamento: Data em que efetivamente ocorrerá o pagamento do direito deliberado.

Data ex-provento: Data em que uma ação passa a ser negociada ex-direito (dividendo, bonificação e subscrição) na bolsa de valores.

Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC): Demonstração contábil que relaciona o conjunto de entradas e saídas que contribuem para o caixa no final do exercício, apresentando fontes, necessidades, origens e aplicações de recursos. É um instrumento de avaliação do fluxo monetário na companhia.

Demonstrativo de Resultados (DRE): Demonstração contábil com o objetivo de evidenciar a formação de resultado líquido perante o confronto de receitas, custos e despesas apuradas no exercício.

Depositária: Instituição financeira responsável pelo serviço de atendimento aos acionistas, cadastro, registros, transferências e controle das posições de ações, pelo pagamento de dividendos e o exercício de todo e qualquer direito distribuído pela empresa.

Desdobramento do número de ações (Split): Emissão de um determinado número de ações novas em substituição a cada ação antiga. Tem o objetivo de aumentar o número de ações de emissão da companhia em circulação no mercado.

Direito de retirada: Direito de um acionista de se retirar de uma empresa, mediante o reembolso do valor de suas ações, quando for dissidente de deliberação de assembléia que aprovar determinadas matérias definidas na legislação pertinente.

Disclosure: Transparência na divulgação de informações por parte de uma empresa, as quais possibilitam uma tomada de decisão consciente pelo investidor e aumentam sua proteção.

Dividend Yield: Indicador obtido através da divisão do valor do dividendo distribuído por ação pelo preço da ação.

Dividendo: Valor distribuído aos acionistas, em dinheiro, na proporção da quantidade de ações possuídas. Normalmente é resultado dos lucros obtidos por uma empresa, no exercício corrente ou em exercícios passados. Como é calculado após o pagamento de Imposto de renda pela empresa, não aumenta a base de renda tributável do acionista.

EBITDA: Do inglês Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization (equivalente em português a LAJIDA: Lucro Antes dos Juros, Impostos, Depreciação e Amortização): Indicador financeiro utilizado para medir o lucro gerado com a operação de um negócio. É calculado subtraindo-se as despesas operacionais do lucro bruto, excluindo a depreciação e as amortizações do período. Dessa forma, é possível avaliar o lucro auferido pelo negócio, descontando qualquer ganho financeiro que a empresa possa ter gerado no período.

Emissão: Colocação de dinheiro ou títulos para circulação no mercado.

Estoques: Bens destinados à produção e/ou venda por parte de uma empresa. Podem ser de produtos acabados, produtos em elaboração, matérias-primas e mercadorias.

Ex-direitos: Denominação dada a uma ação que teve exercidos os direitos concedidos por uma empresa. Os direitos são proventos ou outros benefícios. Neste conceito, os termos mais comuns são: ex-dividendo, ex-desdobramento, ex-bonificação, ex-juros sobre capital próprio, ex-grupamento.

Execução de ordem: Efetiva realização de uma ordem de compra ou venda de valores mobiliários.

Fechamento em alta: Quando o índice de fechamento é superior ao índice de fechamento do pregão anterior.

Fechamento em baixa: Quando o índice de fechamento é inferior ao índice de fechamento do pregão anterior.

Fibrocimento: Material resultante da mistura de cimento, água e alguma fibra, normalmente fibra de amianto crisotila. O papel da fibra é a sustentação estrutural do cimento, o que concede uma excelente relação custo-benefício ao material.

Fração de ação: Quantidade menor que uma ação. Geralmente resultado de um grupamento de ações.

Ganho de Capital: Diferença entre o valor da venda e o custo de aquisição de um bem, incluindo compra e venda de ações, juros de investimentos financeiros, aluguéis, venda de imóveis e outras modalidades.

Governança Corporativa: Sistema de direção e gestão das sociedades, envolvendo os relacionamentos entre acionistas, Conselho de Administração, Diretoria, Auditoria e Conselho Fiscal. A Governança Corporativa é guiada por 3 pilares: prestação de contas; transparência; e equidade. Esses princípios buscam equilibrar a informação das empresas para o mercado, tanto no que se refere a conteúdo, quanto a acesso, minimizando os riscos de ocorrência de erros estratégicos, abuso de poder, e fraudes.

Grupamento: Redução da quantidade de ações de uma empresa, sem alteração na participação acionária.

Home broker: É um moderno canal de relacionamento entre os investidores e as sociedades corretoras que torna ainda mais ágil e simples as negociações no mercado acionário, permitindo o envio de ordens de compra e venda de ações pela Internet e possibilitando o acesso às cotações, o acompanhamento de carteiras de ações, entre vários outros recursos.

IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores): Foi criado em junho de 1997 com o objetivo de valorizar o papel da comunidade de profissionais de Relações com Investidores no Mercado de Capitais brasileiro, e contribuir para seu fortalecimento e aperfeiçoamento.

IGC (Índice de Governança Corporativa): Indicador que avalia o desempenho de uma carteira teórica composta por ações de empresas que foram admitidas no Níveis 1, 2 e Novo Mercado de Governança Corporativa da BOVESPA. A composição desta carteira é revista quadrimestralmente e o seu cálculo considera os preços praticados no mercado à vista.

Índice Bovespa (Ibovespa): Índice da Bolsa de Valores de São Paulo, que acompanha a evolução da lucratividade de uma carteira teórica de ações negociadas na BOVESPA. Esta carteira é composta por ações responsáveis por 80% do volume transacionado no mercado à vista nos 12 meses anteriores à sua formação, com participação superior a 0,1% do total e com negociação em mais de 80% dos pregões do período.

Investidor Institucional: Instituição que dispõe de vultosos recursos mantidos em certa estabilidade e destinados à reserva de risco ou à renda patrimonial e que investe parte dos mesmos no mercado de capitais.

Investimento: Emprego da poupança em atividade produtiva, objetivando ganhos a médio ou longo prazo. É utilizado, também, para designar a aplicação de recursos em algum tipo de ativo financeiro.

IPO: Do inglês Initial Public Offering, que se traduz por oferta inicial de ações ou oferta pública de ações. Processo de lançamento de ações de uma companhia fechada para tornar-se companhia aberta por meio de uma oferta pública inicial (IPO), geralmente oferecido por um ou mais Underwriters ao mercado de investidores.

Joint venture: Investimento conjunto que duas empresas tem em parceria em uma terceira empresa.

Juros sobre o capital próprio: Valor distribuído aos acionistas, em dinheiro, na proporção da quantidade de ações possuídas. Para a companhia, constitui uma despesa financeira, dedutível da base de cálculo do Imposto de Renda.

Liquidez: Maior ou menor facilidade de se negociar um título convertendo-o em dinheiro.

Lote: Quantidade de títulos de características idênticas.

Lote fracionário: Quantidade de ações inferior ao lote-padrão.

Lote-padrão: Lote de títulos de características idênticas e em quantidade prefixada pelas bolsas de valores.

Lote redondo: Lote totalizando um número inteiro de lotes padrões.

Lucro bruto: Equivale à receita líquida menos o custo dos produtos vendidos. Identifica o montante disponível para suprir outras despesas operacionais e não-operacionais.

Lucro operacional: Equivale ao lucro bruto menos as despesas com vendas, gerais e administrativas. É o lucro das operações normais da empresa. No Brasil, de acordo com as normas contábeis, o lucro operacional equivale ao lucro bruto menos as despesas com vendas, gerais e administrativas, despesas e receitas financeiras, equivalência patrimonial e outras despesas ou receitas operacionais.

Lucro líquido por ação: Divisão do lucro líquido de uma empresa pelo número existente de ações. LPA = Lucro Líquido / Quantidade de Ações.

Margem bruta (em inglês, gross margin): Equivale ao lucro bruto dividido pela receita líquida, expresso em porcentagem. O percentual representa o montante de cada unidade monetária de receita líquida que resultou em lucro bruto. Margem Bruta = Lucro/Receita Líquida.

Margem EBITDA: Equivale ao EBITDA dividido pela receita líquida, expresso em percentagem. O percentual representa o montante de cada unidade monetária de receita líquida que resultou em EBITDA. Margem EBITDA = EBITDA / Receita Líquida.

Margem operacional: Equivale ao lucro operacional dividido pelo receita líquida, expresso em porcentagem. O percentual representa o montante de cada unidade monetária do receita líquida que resultou em lucro operacional. Margem Operacional = Lucro Operacional / Receita Líquida.

Margem líquida: Equivale ao lucro líquido dividido pela receita líquida, expresso em percentagem. O percentual representa o montante de cada unidade monetária de receita líquida que resultou em lucro líquido. Margem Líquida: Lucro Líquido / Receita Líquida.

MEGA BOLSA: Sistema eletrônico de negociação da BOVESPA, que visa a ampliar a capacidade de registro de ofertas e realização de negócios em um ambiente tecnologicamente avançado.

Mercado de ações: Segmento do mercado de capitais, que compreende a colocação primária em mercado de ações novas emitidas pelas empresas e a negociação secundária (em bolsas de valores e no mercado de balcão) das ações já colocadas em circulação.

Mercado de capitais: Conjunto de operações de transferência de recursos financeiros de prazo médio, longo ou indefinido, efetuadas entre agentes poupadores e investidores, por meio de intermediários financeiros.

Mercado primário: Colocação de ações ou outros títulos provenientes de novas emissões (IPO). As empresas recorrem ao mercado primário para completar os recursos de que necessitam, visando ao financiamento de seus projetos de expansão ou seu emprego em outras atividades.

Mercado secundário: Negociação de ativos, títulos e valores mobiliários em mercados organizados, onde investidores compram e vendem em busca de lucratividade e liquidez, transferindo, entre si, os títulos anteriormente adquiridos no mercado primário.

Novo mercado: Segmento especial de listagem da BOVESPA disciplinado por Regulamento específico com exigências diferenciadas de Governança Corporativa.

Operador do sistema eletrônico: Representante de uma sociedade corretora, que executa ordens de compra e de venda de ações ou opções, pelo sistema de pregão eletrônico de uma bolsa de valores.

Ordem: Instrução dada por um cliente a uma sociedade corretora, para a execução de compra ou venda de valores mobiliários.

Ordem a mercado: Instrução dada por um cliente a uma sociedade corretora, para a execução de compra ou venda de valores mobiliários sem definição do preço desejado. Deve ser efetuada desde o momento de seu recebimento no pregão.

Ordem administrada: O investidor especifica somente a quantidade e as características dos valores mobiliários ou direitos que deseja comprar ou vender. A execução da ordem ficará a critério da corretora.

Ordem casada: Composta por uma ordem de compra e uma outra de venda de um determinado valor mobiliário. Sua efetivação só se dará quando ambas puderem ser executadas.

Oscilação: Variação (positiva ou negativa) verificada no preço de um mesmo ativo em um determinado período de tempo.

Passivo: Compreende todas as obrigações e dívidas de uma empresa.

Patrimônio: Conjunto de bens e direitos de uma pessoa ou empresa.

Pay out: Soma dos dividendos e juros sobre o capital próprio distribuídos aos acionistas sobre o lucro líquido que deu origem a este pagamento. Payout = ? proventos / Lucro Líquido.

PIB (Produto Interno Bruto): Soma de toda a riqueza gerada por um país em um determinado intervalo de tempo (geralmente um ano).

Pregão: Sessão durante a qual se efetuam negócios com papéis registrados em uma bolsa de valores, em sala de negociações e/ou através de sistema de negociação eletrônica de uma Bolsa de Valores.

Pregão eletrônico: Sistema eletrônico de negociação de papéis por terminais de computador, que permite a realização de negócios, por operadores e corretoras credenciados, nos mercados a vista, a termo e de opções, em horários definidos pela respectiva Bolsa de Valores.

Proventos: Dividendos, bonificações e/ou direitos de subscrição distribuídos, por uma empresa, a seus acionistas.

Rating: Avaliação ou classificação de risco atribuída a uma instituição ou título por ela emitido em função de uma análise efetuada por empresa especializada, que avalia a qualidade de crédito do emissor.

Restituição de Capital: Redução do capital social com devolução aos acionistas de parte do valor das ações, ou diminuição do valor destas ações, quando não integralizadas, à importância das entradas.

Registro em bolsa: Condição para que uma empresa tenha suas ações admitidas à cotação em uma bolsa de valores, desde que satisfaça as normas estabelecidas pela mesma. (No Brasil o registro é concedido pelo CVM)

Risco País: Risco do governo de um determinado país mudar a sua política econômica ou as regras de contratos a ponto de interferir nos pagamentos a credores estrangeiros. Este risco geralmente está embutido na taxa de juros cobrada por empréstimos estrangeiros.

Road Show: Evento de Relações com Investidores que funciona como um fórum entre o emissor de valores mobiliários e os potenciais investidores.

Sociedade anônima: Empresa que tem o capital dividido em ações, com a responsabilidade de seus acionistas limitada proporcionalmente ao valor de emissão das ações subscritas ou adquiridas.

Sociedade corretora: Instituição auxiliar do sistema financeiro, que opera no mercado de capitais com títulos e valores mobiliários, em especial no mercado de ações. É a intermediária entre os investidores nas transações em bolsas de valores. Administra carteiras de ações, fundos mútuos e clubes de investimentos, entre outras atribuições.

Subscrição: Lançamento de novas ações por uma sociedade anônima, com a finalidade de obter recursos necessários para investimento.

Tag Along: Direito instituído aos acionistas minoritários que lhes assegura a extensão das condições oferecidas aos acionistas controladores, no caso de venda do controle da companhia.

Underwriter: Do inglês, subscritor. Instituições financeiras encarregadas do lançamento de ações de uma empresa no mercado primário para subscrição pública.

Valor de mercado da ação: Valor mais atualizado de uma ação negociada em Bolsa de Valores, podendo ser superior ou inferior ao seu valor patrimonial.

Valor nominal da ação: Valor expresso no estatuto social de uma empresa e atribuído a uma ação representativa de seu capital.

Valor patrimonial da ação: Resultado da divisão entre o patrimônio líquido e o número de ações da empresa.

Voto: Direito que tem o proprietário de ações ordinárias (ou preferenciais não destituídas dessa faculdade) de votar as deliberações nas assembléias gerais de acionistas.

2016 © ETERNIT
Todos os Direitos Reservados
Notas Legais
Política de Privacidade
Condições de Uso

imgCapctha